sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

goitacá boy

musicado e gravado por Naiman
gravada nos cds fulinaíma sax blues poesia
& fulinaíma outra vozes outras falas


ando por São Paulo meio Araraquara
a pele índia do meu corpo
em sua carne clara
juntei meu goitacá seu guarani
Tupy Or Not Tupy
não foi a língua que ouvi
na sua boca caiçara

para falar para lamber para lembrar
de sua língua arco íris litoral
como colar de uiara
é que eu choro como a chuva curuminha
mineral da mais profunda lágrima que mãe chorara

para roçar para cumer para tocar
na sua pele urucun de carne osso
minha língua tara
sonha lamber do seu almoço
e ainda como um doido curuminha
a lamber o chão da Guanabara

veraCidade


porque trancar as portas
tentar proibir as entradas
se já habito os teus cinco sentidos
e as janelas estão escancaradas?
um beija-flor risca no espaço

algumas letras de um alfabeto grego
signo de comunicação indecifrável
eu tenho fome de terra
e esse asfalto sob a sola dos meus pés
agulha nos meus dedos

quando piso na Augusta
o poema dá um tapa na cara da Paulista
flutuar na zona do perigo
entre o real e o imaginário
João Guimarães rosa Caio Prado Martins Fontes
um bacanal de ruas tortas
eu não sou flor que se cheire
nem mofo de língua morta
o correto deixei na Cacomanga
matagal onde nasci
com os seus dentes de concreto
São Paulo é quem me devora
e selvagem devolvo a dentada
na carne da rua Aurora

jura secreta 7

fosse Sampa uma cidade
ou se não fosse não importa
essa cidade me transporta
me transborda me alucina
me invade
inter fere na retina

com sua cruel beleza
como Oswald de Andrade

e sua realidade
como Mário de Andrade
e sua delicadeza

http://poeticasfulinaimicas.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário