quarta-feira, 25 de agosto de 2010

tecidos sobre a terra


antes
que alguém morra
escrevo
prevendo a morte
arriscando a vida
antes
que seja tarde
e
que a língua da minha boca
não cubra mais
tua ferida

amada
de muitos sonhos
e pouco sexo
deposito a minha boca
no teu cio
e uma semente fértil
nos teus seios
como um rio

o que me dói
é ter-te
devorada
por estranhos olhos
e
deter impulsos
por fidelidade

ó terra
incestuosa
de prazer e gestos
não me prendo ao laço
dos teus comandantes
só me enterro
a fundo
nos teus vagabundos
com um prazer de fera
e um punhal
de amante

artur gomes
in Suor & Cio – 1985
http://courocrucarneviva.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário