sexta-feira, 17 de setembro de 2010

choro brasil


Você pode se indignar com o que acontece por aí. Mas creia, isso não é bom para você.
Você está mais indignado agora ou no tempo em que lhe disseram que não podia mais votar? Lembra quando foi? E durou, não é mesmo? O governo lhe diz: Não vote. E v. obedece (e eu também).
O governo lhe diz: Vote em X, e você obedece (e eu também). Ou não. Sempre há os apáticos. Mas os apáticos não ficam furiosos, nem indignados. Talvez estejam certos. Que diferença faz? O mundo vai por si mesmo, independentemente de você ou de mim. A história tem seus ciclos e é preciso que se cumpram. Suportamos a ditadura, mas não temos paciência para a era Lula?
Meu amigo, não chore. Não adianta. O problema não está aí. Afinal, somos nós que sustentamos o sistema. Alguém aí ensaiou a desobediência civil, pregada por Henry Thoreau? Ninguém. É preciso muita coragem. Ninguém quer ir para a cadeia. V. não quer perder "aquilo que conquistou", mas se você não pagar e a mão do governo pegar você, ninguém vai estar nem aí. Só a morte lhe fará justiça. Mas aí, já era, né?
Você suportou Geisel, Médici, Sarney (ai!), e agora não gosta da cara de Dilma? Que coisa é essa? E a cara do Collor, era legal? E isso que nenhum fez sucesso "lá fora". Nem o FHC. Mas o Lula não pode. Por que será? Engraçado isso. Brasileiro adora quem faz sucesso "lá fora", mas não o Lula.
Você não gosta da cara da Dilma, acha que ela parece um mamute e fala mal? Grande coisa. E Bush? E Margareth Tatcher? E aquele diabo de mulher que foi assessora de Bush e eu já esqueci o nome graças a Deus?
Agora mesmo rola uma denúncia feita pela revista Veja. Denúncia? Revista Veja? Pense bem, agüentar uma denúncia da Veja... eu também perco a paciência.
Lula diz para votarmos em Sérgio Cabral. Nem acreditamos no que vemos e ouvimos. Mas Cidinha Campos também diz para votarmos em Jorge Picciani. E Marina diz que está bem votar em Sirkis. Isso é a política. Assim são os negócios. Ninguém é inocente. Todo o mundo é, já sabemos, o eu e suas circunstâncias (Sartre) e também (aprendendo com Saramago) aquilo que não tem nome. Não tem saída.
Portanto, por favor, amigo, não chore. A história é assim mesmo. Console-se. Você não falhou sozinho.
Lembre-se daqueles que ainda estão na marginalidade, mesmo que paguem os mesmos impostos que você, mas ainda assim são perseguidos. Lembre-se daqueles cidadãos que podem, a qualquer momento, por pura distração, sentirem a força da mão (e do achaque) da polícia porque estão fumando um inocente baseado.
Lembre-se de que essa tal democracia ainda demoniza os usuários de maconha, e burramente rechaça (com violência) aquela que poderá ser uma das maiores economias do tal país do futuro.
Agora mesmo, em vários lugares do gigantesco Brasil, movem-se brandamente com a brisa, milhões de pés de maconha que, colhidos, não pagarão imposto, enriquecerão os traficantes e a indústria de armas, as armas matarão os mais pobres e por aí vamos.
Quem ganha?
Por causa disso é que recomendo.
Renato Cinco para Deputado Federal - 5055
André Barros para Deputado Estadual - 13551

Nenhum comentário:

Postar um comentário