quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Cantinho do Poeta Quartas Culturais

Pontal
Dia 1 dezembro 21 horas
Encenação teatral com poemas de Aluysio Abreu Barbosa,

Adriana Medeiros, Antônio Roberto(Kapi) e Artur Gomes.
com Artur Gomes, Yvi Carvalho e Sidney Navarro
Direção: Kapi

a flor da pele – pontal foto grafia


Vídeo com o autor interpretando os poemas Jura Secreta 14 e Pontal.Foto.Grafia, filmado no Sesc Piracicaba e na Lagoa Doce São Francisco do Itabapoana, com trilha sonora de Engels Espíritos.


Jura secreta 14

eu te desejo flores lírios brancos
margaridas girassóis
rosas vermelhase tudo quanto pétala
asas estrelas borboletas
alecrim bem-me-quer e alfazema

eu te desejo emblema
deste poema desvairado
com teu cheiro teu perfume
teu sabor teu suor tua doçura

e na mais santa loucura
declarar-te amor até os ossos

eu te desejo e posso
:palavrArte até a morte
enquanto a vida nos procura


O poema Pontal Foto Grafia foi escrito no verão de 1992 em pleno Pontal de Atafona, onde o rio Paraíba do Sul beija o oceano Atlântico.Ao mesmo momento em que o poeta escrevia, o fotógrafo Oscar Wagner fazia um ensaio fotográfico captando através da sua ótica os escombros das casas que ali foram tragadas pelo mar. Naquele momento ainda podia-se ver restos de telhas tijolos armações de concreto lentamente sendo sugados pela fome do oceano que viera ali cobrar tudo aquilo um dia foi seu: a praia invadida pelo homem



Pontal Foto.Grafia

Aqui,
redes em pânico
pescam esqueletos no mar
esquadras – descobrimento
espinhas de peixe convento
cabrálias esperas
relento
escamas secas no prato
e um cheiro podre no
AR

caranguejos explodem mangues em pólvora
Ovo de Colombo quebrado
areia branca inferno livre
Rimbaud - África virgem –
carne na cruz dos escombros
trapos balançam varais
telhados bóiam nas ondas
tijolos afundando náufragos
último suspiro da bomba
na boca incerta da barra
esgoto fétido do mundo
grafando lentes na marra
imagens daqui saqueadas
Jerusalém pagã visitada
Atafona.Pontal.Grussaí
as crianças são testemunhas:
Jesus Cristo não passou por aqui

Miles Davis fisgou na agulha
Oscar no foco de palha
cobra de vidro sangue na fagulha
carne de peixe maracangalha
que mar eu bebo na telha
que a minha língua não tralha?
penúltima dose de pólvora
palmeira subindo a maralha
punhal trincheira na trilha
cortando o pano a navalha
fatal daqui Pernambuco
Atafona.Pontal.Grussaí
as crianças são testemunhas:
Mallarmè passou por aqui

bebo teu fato em fogo
punhal na ova do bar
palhoças ao sol fevereiro
aluga-se teu brejo no mar
o preço nem Deus nem sabre
sementes de bagre no porto
a porca no sujo quintal
plástico de lixo nos mangues
que mar eu bebo afinal?

Pontal

(a Ana Augusta Rodrigues)

Aqui
onde rio e mar
se beijam
aqui no fim do mundo
onde terra e céu
se abraçam
num ato sexual.

Aqui
no fim do dia
um barco preso na corda
um peixe preso no anzol
a terra varrida ao vento
casas varridas ao temporal…

Aqui
no mesmo teto
pássaros sobre os calcanhares
homens sobre os girassóis
onde rio e mar se beijam
re-nascem nossos filhos
quando terra e céu se abraçam
sem ter nem mães nem pais

Onde o seu refúgio
é nu / meu peito aflito
e a minha solidão
nu / teu corpo é
paz.

Artur Gomes
http://goytacity.blogspot.com


Um rio

Era uma vez…Um rio
Que de tão vazio,
já não era rio
e nem riachão,
tão pouco riacho.

Não era regato,
nem era arroio,
muito menos corgo.

Era uma vez…um rio
que, de tanta cheia,
já não era rio
e nem ribeirão.

Era mais que Negro,
era mais que Pomba,
era mais que Pedra,
era mais que Pardo,
era mais que Preto,
bem maior ainda
que um rio grande.

Era uma vez…um rio
que de tão antigo
era temporário,
era obsequente,
era um rio tapado
e antecedente.

Que não tinha foz,
que não tinha leito,
que não tinha margem
e nem afluente,
tão pouco nascente.

Mas que era um rio.

Não era das Velhas,
não era das Almas,
não era das Mortes.

Era um Paraíba,
era um Paraná,
era um rio parado.

Rio de enchentes,
rio de vazantes,
rio de repentes:
Um rio calado:

Sem Pirá-bandeira,
Sem Piracajara,
Sem Piracanjuba.

Em suas águas
não havia Piran
ão havia íba,
não havia jica,
não havia juba.

Nem Pirá-andira,
nem Piraiapeva,
nem Pirarucu.

Era um rio assim:
Sem pirá nenhum.

Mas que era um rio.

Era uma vez….Um rio.
Que, de tão inerte,J
á não era rio.

Não desaguou no mar,
não desaguou num lago,
nem em outro rio.

É um rio antigo,
que de tão contido
não é natureza.

Um dia foi rio,
há muito é represa.

Antônio Roberto Góis Cavalcanti(Kapi)

O Senhor Deus formou, pois, o homem do barro da terra,e inspirou-lhe nas narinas um sopro de vida e o homem se tornou um ser vivente”gênesis (2.7)

epifania
(p/ euclides, yeats e soffiati)

guiava a picape pela montanha
entre curvas da estrada e do rio
que ambos seguiam à planície
na qual não nasci, mas habito
desde quando aprendi a pisar
e a montanha nas suas certezas
de subir e descer no caminho
falou-me na língua das pedras
de onde brotam as águas:

— decifra-me ou te desfaço!

feito do barro massapê
sobre o qual caminhei a vida
tendo o plano por destino e partida
consultei as cores do crepúsculo
que, melancólicas, se riram de mim:

— de onde vens?
— indagaram-me as cores
— de cambuci, refúgio dos puris!
— para onde vais?
— aos campos dos goitacás!
— o que corre ao seu lado?
— o rio!
— e para onde corre o rio?
— ao mar!
e riram-se de novo as cores:
— pois então!

a montanha, descontente pela ajuda
escondeu o sol e exilou as cores
antes que se voltasse a mim, respondi:
— não te decifro, sou você
sou teu barro, que o rio lava,
carreia e forma a planície
sou o que deságua no mar e o escurece
meu templo não se ergue na pedra
mas no que nela colide e desprende
não me desfaço, transformo!

atafona, 04/06/2000

closer
(p/ branca)

ao volante da picape,
um naufrágio de torpedo
atravessa damien rice,
à imagem do seu canto.

o hermético, dos ventos,
dita planos diferentes,
à longitude dos destinos
entre a foz e o afluente.

um coração em déjà vu,
quando partido, se areja
pelo sopro da janela
no motorista que acelera
e, de leveza, até sorri,
ao notar entre seus dedos
— acaso do tato no ato final —
aquele fio longo de cabelo,
só e sangue como o sol.

passa a musa e o chapéu:

“i can’t take my mind…my mind… my mind…til i find somebody new”.
atafona, 05/07/08

angelical

as ondas, o grilo, o galo
dão vozes ao frio
esgueirado nas frestas
do mantra oculto no crânio
o eco do nome dela, banido
escapa da boca no grito
a furo, da alma
esse pus aquece o corpo
mais que o edredom

atafona, 17/07/06

elenismo

onde começa a planície
à margem direita da foz
reflete à míngua um egeu
de sede da sua língua
maresia dos corpos jogados
oxida entre dedos de dédalo
o cheiro dela que esvai
e volta à memória em marés
pelo sol imolado na praia
do sacrifício por afrodite
nos meus criem o credo
daqueles olhos oblíquos

atafona, 07/06/08

aurora

dia desses, madrugada alta
insone, acordei a mulher
para matar saudades do adolescente
ébrio, na beira da praia, à espera do sol,
que buscava ouvir o mar chiando ao parir brasa
acompanhado, reconstituí a cena
tendo como elemento novo,
além da mulher,
a barricada baixa de nuvens
no final do horizonte
deflorada lentamente
pelos dedos róseos do poeta
ela olhou e disse que as nuvens
pareciam algodão doce
pensei e a mim lembraram ilha grande
que quando avistada da ilha seguinte
vê-se não ilha, mas continente;
imaginei após a amurada interna do forte
dos que querem manter como está
e já saem à guerra vencidos;
recordaram-me também a serra do imbé
fazendo fundos com a planície dos extintos
lhe dando vértebras;
ou ainda a conseqüência do recife
no qual convergissem todas as ondas do atlântico
açoitando a pedra e espalhando espuma
como o cheiro do quarto no amor
o sol nasceu entre nuvens e metáforas
contemplei-o até a cegueira
beijei a mulher e me despedi de homero
que fez do ouro seu anel de noivado
e saiu comendo algodão doce

atafona, 15/04/2000

pacto

com a cadela nova na coleira
contei quatro saltos do peixe
à beira mar, sem ninguém
não vi o que viveu antes o peixe
ou o que viveu depois do quarto salto
na verdade, não o conhecia

com a cadela, se vivermos
sem cair nas redes nossas
talvez partilhe visões outras

tivemos os três aquele momento
com ninguém mais à beira da praia
e a cadela me seguiu sem a coleira
e quase entrou no mar do peixe

atafona, 14/05/2000

moinho

vento balança copa
nogueira
vento que venta mais
na beira
vento lá da maré
é cheia
vento que canta e chama
sereia
vento em lua nova
inteira
vento de céu aberto
esteia
vento que traz barulho
traineira
vento de maresia
permeia
vento que volta o cuspe
bobeira
vento transporta duna
carreia
vento que sopra à face
tonteia
vento na capoeira
volteia
vento que corre o rio
na veia
vento que traz o mar

atafona, 28/12/99
Aluisio Abreu Barbosa

Rio à míngua

Outrora, em tempos outros,
tudo que hoje é habite-se
pertenceu ao que se diz
ser a imensidão do mar.

Até que um dia, o Paraíba,
buscando destino cumprir,
rasgou as entranhas da serra
para a planície formar.

E fez-se istmo primeiro,
entre golfos e brejais.
doces e feias lagoas,
d’uma beleza sem par.

Assim se fez a baixada.
Assim se fez São João,
do Açu a Atafona.

Do delta em pé de ganso
Fez-se um pontal de paixão.
De Gargaú, Guaxindiba,
às margens do Itabapoana,
dos goitacá, a nação.

Mas o rio que nos deu vida
o homem um dia sangrou
transformando-o em ferida,
cerceando-lhe a vazão.

Minando-lhe todas as forças
para os embates com o mar.

Transformaram em Guandu
o Paraíba do Sul
desviando-lhe as águas.

Semeando em seu leito,
do Egito, as sete pragas.

E no Pontal um lamento
Que traduz nosso tormento
em ver o rio minguar.

Antônio Roberto(Kapi)


travessuras
(em parceria com dora)

cana e açúcar no ar
chaminé fumando elegante
no horizonte da planície
que um dia foi
e um dia volta a ser
do mundo do silêncio de costeau

campos, 28/06/97

tempo

ver Deus olhando nuvens
do pôr do sol da praia
sopro do vento nordeste
virando terral
virando o mar
virando outro cheiro
virando o tempo
mas tempo é tempo
é nada mais
é só tempo
tempo da morte
tempo da vida
crediário duma
prestação doutra
território do ponteiro
demarcado por mijo monótono
comum lugar do tic
perseguido por tac
e amanhã tem que acordar cedo
pra trabaiá

atafona, 08/12/95

estiagem

depois da chuva são moscas
mosquitos obstinados à caça de sangue
depois da chuva são poças
cheiro de terra, ciclo de rastros
depois da chuva são sapos
corte a amantes dentro do mato
depois da chuva são cantos
folhas mais leves prenhes de pássaros
depois da chuva são vidas
formas moldadas no meio da lama
depois da chuva são gotas
pendendo em extinção da borda da telha
depois da chuva são cores
reflexos de luz na umidade do ar
depois da chuva?
a gratidão é verde depois da chuva

atafona, 05/12/2000

duas luas
(p/ lívia)

a nuvem escorre
pela lua cheia
como o tabaco
e o amor
entre os dedos

somem, consomem, secam,vão
semeando cheiros
e lembranças
no álbum de retratos

à senha dos uivos
viro o corpo na cama
do quarto escuro
mas a lua me contorna
dobrada nos olhos dela

campos, 17/04/06

deriva

o navegador diz que liberdade
é diferente de estar à deriva
como sereia nunca me contou
se navegar é necessário
ou só demanda precisão
sigo a corrente
sem ver nisso prioridade
sentindo, roendo unha
pondo de lado as latitudes
ainda que as perceba

atafona, 14/11/95

muda

a memória sai da toca
sobe pela palafita
ainda escorrendo lama
e me fita
com olhos de caranguejo
entre as tábuas do piso
do bar do espanhol
quando o pontal era ponta
tinha fé de igreja
e luz de farol
na boca do mangue
passei minha rede de arrasto
mas só peguei filhotes de bagre
que me ferraram o pé
ao chutá-los de volta à água
até que pedro me ensinoua pegar pitu de mão
entre raízes do mato
na beira do alagadiço
hoje passo no mangue
e não piso na lama
mas na asfixia lenta
dos aterros do homem
e do avanço do mar
perto das ilhas da convivência e pessanha
siamesas da mesma terra
onde ficou minha casca da muda
de caranguejo a espera-maré

Aluysio Abreu Barbosa

Nenhum comentário:

Postar um comentário