segunda-feira, 15 de novembro de 2010

tão pimenta tão petróleo



Ontem na Bienal do Livro de Campos dos Goytacazes, além do bate papo poético ao lado de Fabrício Carpinejar, com provocações de Dedé Muylaert, tive o prazer de re-ver o Zeca Baleiro, um doce bárbaro que incendeia s noites paulistanas com a sua Balada do Baleiro. Sou fã do Zeca, desde o seu primeiro CD Por Onde Andará Stefen Fly. Além desse que é genial, Zeca tem outro CD antológico Líricas onde esbanja todo seu lirismo em canções maravilhosas, como na versão musical para um poema do Cummings, vertido apra o português por Augusto de Campos.

No vídeo acima Zeca Baleiro um magnífico poema de Salgado Maranhão musicado por Vital Lima. " é que eu já vivo tão pimenta tão petróleo que se você acende os olhos me incendeia". Esse refrão cabe muito bem como resposta a uma provocação do Dedé, quando ele nos pergunta se o poeta tem na mulher a sua grande musa. O Carpinejar se mostra avesso a esta idéia, mas eu afirmo que sim. A mulher é agrande musa de todos os poetas.

De Dante a Chico Buarque todos os poetas jácantaram suas musas Beatriz são tantas. E a musa no vídeo chama-se Érica Ferri, é um gaúcha como o Carpinejar, que atualmente estuda Zootecnia em Pelotas

2 comentários:

  1. Artur, das Minas Gerais, um abraço para você desatando os nós e colhendo uvas literárias nessa bela cidade de Bento Gonçalves. Esta sua página é uma....uva!

    ResponderExcluir