domingo, 20 de fevereiro de 2011

como um marinheiro que retorna ao cais




costumo quase sempre dizer que sérgio sampaio é uma pérola em meio a toda mediocriade que hoje rola na música popular brasileira, com muitas excessões, é claro. ele viveu e construiu sua obra poética musical em um tempo de tensões extremas onde ir ao fundo do poço cavar o osso era como escavar petróleo nas profundidades oceânicas e extrair de lá tesouros, que muitos hoje não tem mais a gana de ir buscar. no vídeo abaixo onde sérgio canta a sua loucura incluo imagens das estripulias de layara monteiro espoleta neves uma outra pérola rara



Fui internado ontem
Na cabine cento e três
Do hospício do Engenho de Dentro
Só comigo tinham dez
Estou doente do peito
Eu tô doente do coração
A minha cama já virou leito
Disseram que eu perdi a razão
Tô maluco da idéia
Guiando carro na contramão
Saí do palco e fui pra platéia
Saí da sala e fui pro porão


neste outro vídeo fazendo uma travessia de barco pelo canal da passagem sendo focado por Jiddu Saldanha entre o poema a travessia e a viagem a gaita de ângelo nani e a guitarra e voz de luiz ribeiro conduz a passagem para o marinheiro que compôs o blues e retorna ao cais



travessia

de almada
vou atravessa o tejo
barco a vela
portugal a fora

em lisboa
vou compor um fado
e cantar no porto
feito um blues rasgado
de amor pela senhora
que me espera em paz

e todo vinho
que eu beber agora
será como um beijo
que guardei inteiro
como um marinheiro
que retorna ao cais

arturgomes
http://pelegrafia.blogsot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário