quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

poética 39




poética 39

e se eu te amasse
de outra forma
e não essa
jura secreta em segredo
se comesse
em tua língua
bebesse em tua boca
lambesse toda carne
nua e crua
como a lua
que ora tece luz
entre teus poros
onde tudo é prece
entre os sentidos
dos desejos
onde te beijo
oculto e como
a maçã
que te revela
minha fome
de manhã
se me tecesse em tua lã
me cobrisse com teu linho
e na carne
uva e vinho
pra desfazer meu desalinho
quando me deito
em teu divã

artur gomes
poéticas fulinaímicas

Nenhum comentário:

Postar um comentário